Por que você precisa de um App mobile?

Tecnologia 27 February, 2018 Jefferson Alex

Existem, segundo a estatística das lojas de aplicativos, mais de 2 milhões de aplicativos disponíveis disponíveis para baixar. Com certeza aquela ideia que você teve, alguém já tentou transformar em um APP.

Praticamente toda semana eu recebo informações ou algum cliente novo chega com a “grande ideia”, onde um aplicativo faz “XYZ” que  “ninguém pensou nisso antes” de forma “inovadora”. Essa é a parte que eu mais me divirto enquanto consultor e UX designer, pois uma das premissas é realizar pesquisa de similares e modelos de negócios para comparativos.

Até hoje eu não me deparei com uma ideia que “ninguém tenha pensado antes”. Isso porque desde que a onda dos aplicativos chegou ao mercado, junto com a facilidade de encontrar programadores habilitados para Android e iOS, veio uma enxorrada de aplicativos “beta” que tentam resolver problemas do cotidiano. Isso também se tornou verdade – facilitado, certamente – pelo fácil acesso a smartphones e similares pela população.

Enfim… uma coisa que eu sempre gosto de deixar claro em uma reunião é que o aplicativo não é o que vai salvar a empresa dele ou melhorar a vida dos seus clientes. Isso porque muitas vezes os problemas estão nos processos internos – ou a falta deles – que impedem que a empresa tenha algum nível de qualidade. Assim, o empresário acaba achando que é mais fácil desenvolver um aplicativo e apostar que ele resolva tudo, ao invés de investir em melhoria de processos e qualidade dos seus produtos/serviços.

Até aqui eu estou explicando uma parte apenas do problema. O crescente número de empresas querendo resolver tudo com aplicativo é preocupante e acaba gerando outro problema, além daquele que a empresa quer resolver com seu “maravilhoso e super fácil app”.

Para ilustrar um problema que essa “aplicativação” desenfreada das empresas está causando, recentemente fui procurar uma hanburgueria para fazer um pedido pois não estava afim de sair. Ai começou uma saga… Por que?

Simplesmente – e  infelizmente – todas as hanburguerias que atendem delivery investiram em criar seus próprios aplicativos. Não há um outro canal para saber preços, pois o investimento em aplicativos foi subtraído daquele que deveria ser o de mídia social. Com isso, nenhuma respondeu meu pedido pelo Chat (Facebook e Instagram, pois aqui nenhuma sabe para que serve o Twitter) e nenhuma tem o cardápio na Fanpage ou em qualquer outro lugar na internet.

Imagine que eu deveria instalar 10 aplicativos diferentes, só para saber das promoções e cardápio de cada estabelecimento. Ai eu parei e pensei: se existem plataformas de agregadores (market places) como o iFood, por que essas empresas acharam que seria uma boa ideia criar um próprio?

Eu já perguntei para alguns empresários e a resposta que mais ouvi é sobre as taxas cobradas pelos market places. Outra argumentação é sobre querer ter o seu próprio canal de comunicação.

Eu vou finalizar já já esse post… mas antes vou deixar uma consideração sobre essas questões levantadas por aqueles empresários que querem seus próprios aplicativos.

Criar e lançar um aplicativo, embora pareçam coisas bobas diante das inúmras reportagens e informações na web, são processos gigantes e que despredem de um bom orçamento (ambos).

Criar um APP, desafios

No primeiro caso, quando é para criar um aplicativo do ZERO, é necessário focar em uma plataforma para diminuir custos ou desembolsar uma boa grana para contratar alguém (ou uma empresa) para Android e iOS.

Não vai sair de uma hora para outra e o trabalho nunca vai estar pronto… isso porque sabemos que TODO software necessita de manutenção e que é praticamente impossível acertar logo de cara na usabilidade, na tipografia, nas cores e em toda a regra de aplicação. Sem contar que você vai ter aquela continha da Apple anual para pagar, senão o app sai do ar.

Então, se o seu negócio não for estritamente ligado ao aplicativo, você vai fugir totalmente do eu orçamento, que deveria investir em marketing, agora jogado todo para a criação e manutenção de um App mobile.

Publicar/Lançar um APP

Se criar já é um desafio por si só, você ainda não viu nem a metada de história que eu tenho para contar sobre lançamento/divulgação… 🙂

Depois que você manda um app para a Google Play e/ou Apple Store, o seu vai ser mais um entre os milhões que eu citei logo no início desse post. Daí vai a pergunta: como você acha que o seu cliente vai saber que isso existe e que é o seu realmente – sim, pois qualquer pessoa pode criar um app e publicar nessas lojas sem ter vínculo nenhum com a sua empresa ¬¬ ?

Ai você vai investir aquela verba que era para alavancar a estratégia de marketing, mas que agora está saturada com o desenvolvimento do seu “super incrível app”, criando formas para que os clientes saibam que seu app existe. Além disso, também vai fazer com que o seu atendimento tenha diversos cainais para se preocupar (mídia social, telefone, whatsapp, app de pedidos).

Conclusão

Na hora de criar um app para sua empresa, verifique primeiro se já existe um similar no mercado que faça aquilo. Outra coisa importante a se pensar é se o seu negócio está estritamente ligado ao aplicativo – no caso do restaurante, não é ligado pois você vende mesmo sem ter um app. Pense em todo o gasto que você vai ter para que esse app “pegue” e, depois, no quanto você vai ter que investir para ele continuar funcionando. Fora que se não der certo, você já jogou uma carrada de dinheiro fora e ainda não investiu no que realmente deveria – o feijão com arroz é básico, mas poucos fazem e acabam falhando justamente ai.

Esse post não é para dizer “não crie um app”! De forma alguma. É apenas um desabafo para tentar conscientizar para o que existe por trás daquela “grande ideia” de ter o seu próprio aplicativo e entrar na onda cool de ter o seu próprio app.

Quase todo dia eu encontro um exemplo de alguém que tentou fazer o “seu próprio Uber”, ou uma rede social focada em público XPTO, mas que não tem verba para que isso realmente funcione e consiga competir.

Para finalizar, mas não menos importante, é sempre orientado, em todo projeto voltado para o público (que não seja algo só interno da empresa) que pense “esse projeto resolve o principal problema entre o cliente e o meu produto/serviço?”. Se a resposta for sim, então vá em frente (olhe para o lado :)), mas caso contrário é melhor procurar uma consultoria que te auxilie a melhorar seus processos e seu marketing… depois você pensa nesse lance de aplicativo.

Jefferson Alex

Analista de Marketing com especialização em projetos digitais. Designer em formação, analista de sistemas e sempre em busca de aprendizado contínuo.