Startup. O que é e o que não é!

Gestão 28 October, 2013 Jefferson Alex

Não é de hoje que se fala no nome Startup. Talvez seja até novo para você, mas startups estão em alta e são agentes de inovação que muitas vezes trazem um alto retorno sobre o investimento. Geralmente ligadas a projetos de tecnologia, startups inicialmente são formadas por empreendedores que possuem um projeto e não possuem uma estrutura de empresa (escritório, funcionários, etc). Uma estrutura enxuta de muitos desses grupos de empreendedores é o que faz a diferença, tornando os projetos mais dinâmicos e de fácil adaptação, uma vez que os donos da ideia também são os desenvolvedores. No Brasil existem vários grupos que dão apoio a esses empreendedores, além de incentivos do governo (FINEP, por exemplo) com concursos e premiações.
Sua grande aceitação no mercado faz com que empresas de grande porte também contratem startupscomo prestadores de serviços, mesmo quando não possuem uma vasta experiência no mercado, pois a mão de obra é de mais fácil acesso. O que uma startup é, na verdade?
Assim como sugere Eric Ries, em seu livro A Startup Enxuta (Lean Startup, 2012), uma startup concentra-se em resolver um problema específico, criando soluções rápidas e escaláveis. Isso faz com que as startups sejam muito bem-vistas aos olhos dos investidores, já que geralmente são soluções em tecnologia que atendem um nicho de mercado – ai entramos no mérito da Cauda longa (Chris Anderson’s), onde um nicho de mercado pode ser um mercado de massa.
Em outras palavras, uma startup é um grupo de empreendedores que desenvolvem soluções rápidas e inovadoras. Possuindo uma curva de inovação muito boa e aproveitável, são responsáveis pelo desenvolvimento de muitas das soluções que você usa atualmente (aplicativos, sistemas e métodos). O que não é uma startup?
Não confunda um grupo pequeno de empreendedores com mão de obra inexperiente e barata. Isso é um mito, assim como o mito do estagiário (mão de obra iniciante e barata), onde temos ótimos profissionais já atuantes no mercado, muitos até com especializações em diversas áreas.
Como dito acima, uma startup é formada por empreendedores, muitas vezes focados em uma determinada solução para um nicho de mercado. Isso faz com que necessitem de uma carga de conhecimento grande, até maior do que muitos profissionais de muitas empresas grandes.
Também não deve ser confundida como empresa que “faz tudo” e, principalmente, não é limitado a ser composta por jovens. Isso é realmente comum, pois muitas das startups são formadas por grupos de jovens, porém não é regra e temos em muitos casos pessoas com idade avançada (na liderança ou na linha de produção) pois uma ideia/projeto não tem idade. Conclusão
Startups são muito promissoras e geralmente atendem ao nicho de mercado, onde encontram oportunidades. Geralmente formados por profissionais (iniciantes ou não), mas com um conhecimento bom sobre o projeto que desejam produzir. Uma ótima alternativa de investimento atualmente, possuindo um histórico de muito sucesso por serem mais dedicados ao resultado e possuindo um corpo técnico enxuto.
Não confundir grupo de poucos integrantes com menos profissionalismo, muitas vezes as startups são compostas por profissionais muito bem qualificados. No mínimo são pessoas dedicadas ao projeto e isso já é um grande diferencial de mercado. Por último, invista em startups. Elas possuem um alto retorno sobre o investimento e possuem um ciclo de inovação mais rápido que empresas comuns, além de serem guiadas pelo mercado e em busca de aperfeiçoamento constante.

Compartilhe: http://bit.ly/2hmqjxF
Jefferson Alex

Analista de Marketing com especialização em projetos digitais. Designer em formação, analista de sistemas e sempre em busca de aprendizado contínuo.