O problema e a solução de uma META

Gestão 16 January, 2017 Jefferson Alex

O sucesso e o fracasso de um projeto pode estar nas definições (ou falta delas) de uma meta. Mensurar algo não é somente saber que existe e estabelecer empiricamente seu valor, é preciso quantificar.

Em um projeto, seja lá de qual natureza for (engenharia, design, publicidade, eletrônica, financeiro… entre outros), é necessário estabelecer um ponto – ou vários – de avaliação. Quando se trata de administração ou marketing é comum ouvir o termo KPI (indicadores de desempenho), onde as metas são definidas de uma forma mensurável, mostrando ao gerente o desempenho daquela atividade.

Para colocar um exemplo sobre meta, imagine que você está ai na vida de sedentarismo. Quando você define começar a pratica de atividades físicas, já está definindo uma meta. Ao definir quanto quer emagrecer, está definindo outra meta.

Ainda para fundamentar esse exemplo, vamos adotar que as metas precisam ser SMART (em inglês significa: específica, mensurável, alcançável, relevante e temporal). Com isso temos, em nosso exemplo, a identificação de meta SMART:

  • Específica: começar a realizar exercício físico em uma academia da minha cidade;
  • Mensurável: assim que eu realizar o cadastro na academia, conta como um indicador de que realizei 1 (um) cadastro, entre outras métricas que podem envolver o exercício físico;
  • Alcançável: iniciar exercício físico em uma academia é muito mais fácil de imaginar e de alcançar. Se eu disser que quero ir à lua, você já entende o que a palavra “alcance” significa. Treinar em uma academia do meu bairro 3 vezes por semana é mensurável e é alcançável;
  • Relevante: para eu iniciar um treino em academia não preciso esperar para decidir a cor da roupa. Isso é um exemplo do que é relevância. É relevante realizar o cadastro em uma academia, assim como é relevante o fato de iniciar para que minha meta faça sentido. Se não for para treinar, não deveria estabelecer a meta de treinar em academia – simples assim;
  • Temporal: tudo deve ter um tempo. Essa é uma parte que é muito esquecida nas definições dos objetivos. É preciso dizer que até a sexta-feira dessa semana eu vou finalizar essa minha meta de realizar inscrição e iniciar meus treinos na academia. Sem essa definição, não tem como saber quando acabou e nem qual o prazo para avaliação.

O problema das metas

Uma meta não é o problema em si, mas sua falta de definição ou sua má gestão. Quando definimos um objetivo e esse objetivo não chega nunca, pode ser que um dos pontos acima foram negligenciados.

Deixar a meta aberta, embora renda muitos memes, é a pior vilã de um gestor de projetos ou de um gerente de planejamento.

Se eu disser que preciso entregar um plano de marketing para um cliente, mas não estabeleço quais são os itens que devo entregar nesse plano e qual o prazo para entrega, estou cometendo o “pecado” de deixar esse objetivo sem uma forma de mensurar. Se algum dia eu entregar, a meta estará batida. Caso contrário, nunca terei um indicador de performance.

Os benefícios de uma meta bem estruturada

Não é um bicho de 7 cabeças, nem conto de fadas. Meta existe e precisa ser levada à sério.

Sabe aqueles projetos de vida e da sua empresa que você pensa sempre estar longe de chegar? Pois é, sabe o que falta para você alcançar (além de persistência)? Meta.

Aliás, persistir em um trabalho que não tenha um ponto final só vai fazer você trabalhar o dia todo sem ter o que entregar.

Seus colaboradores trabalham melhor e são muito mais produtivos quando sabem quais são as metas. Caso contrário, não sabem o quanto tem que trabalhar para atender os objetivos da empresa.

Imagine um operário que gira uma chave para a esquerda, depois para a direita… isso o dia todo, até soar um alarme para largar. A única coisa que ele tem como objetivo é largar naquele momento que o alarme toca. Ai no próximo mês ele é demitido pois não girou a chave direito. Parece loucura, mas acontece e seu cliente pode estar a ponto de ligar para você e dizer que você não está girando a chave direito, por isso vai procurar outro freelancer.

Exemplo.

Pois bem, já que ficou claro que ter meta é bom, vamos ver um exemplo de projeto com metas. Vou exemplificar aqui com um dos trabalhos que desenvolvo: plano de marketing.

Quando um cliente solicita um plano de marketing digital, por exemplo, preciso definir quais são as entregas e quais os prazos. É comum o cliente achar que um marketing planner é o cara que faz as artes para o Facebook, isso faz com que a entrega de um projeto fique complexo para empresas de pequeno porte.

Para minimizar isso, defino pontos como a pesquisa de mercado, análise de público e produto e criação das versões do plano de marketing (entre outros). Isso faz com que o cliente saiba o que, quando, em que formato e porquê. Assim, tanto ele quanto eu, temos pontos de desempenho para mensurar. Se eu entregar antes do prazo, no formato melhor que o combinado e com mais opções do que o combinado, o cliente vai ter um ponto base para avaliação (a nossa meta inicial).

Assim também acontece nos projetos de assessoria de marketing, onde são definidos vários KPIs e avaliados constantemente.

Se você não se preocupar com os indicadores de desempenho e não estabelecer uma meta, seu projeto nunca terá exito. Sabe porquê? Porque não há um indicador.

Como eu vou saber se venci a corrida se não estabeleci o ponto de chegada?

Por último, eu gostaria de citar uma frase que ouvi em um seminário de empreendedorismo

“Se você não tem uma meta, está trabalhando para quem tem”.

O que isso quer dizer? Bom, se você não sabe qual é a meta da sua empresa, os seus funcionários têm uma meta que é receber o salário no início do mês. Isso faz com que você esteja trabalhando para eles e não o contrário.

Compartilhe: http://bit.ly/2izMtwc
Jefferson Alex

Analista de Marketing com especialização em projetos digitais. Designer em formação, analista de sistemas e sempre em busca de aprendizado contínuo.