Custo, preço e valor… parece a mesma coisa?

Gestão 28 October, 2016 Jefferson Alex

Existe uma confusão, no senso comum, quando as pessoas se deparam com esses termos no mercado. Vou fazer uma análise básica sobre o momento de empregar cada um desses termos e seus significados. Quando você vai ao supermercado e olha uma etiqueta do produto na gôndola, você está vendo o preço. Isso é porque preço está relacionado diretamente ao monetário, em papel moeda… enfim, é o quanto você será cobrado financeiramente por sua aquisição. Custo é uma coisa que vem antes do preço. Como assim Bial? Pois bem, o supermercado possui custos de aquisição, mão de obra, estocagem, depreciação, transporte, registro, venda e embalagem. Esses são alguns itens que podem compor os custos daquele produto. Não entendi … explica! Então… adquirir (comprar) o produto é um custo que envolvem outras coisas que não são monetariamente definidas, como o custo de tempo, o maquinário e mão de obra envolvida (que também possuem outros custos envolvidos). Por ai vai. Ou seja, todos os recursos envolvidos para que o produto esteja na prateleira e seja vendido são analisados também como custos (operacionais e monetários). Essa parte de custo é bem mais extensa para se explicar, mas basicamente é isso. Ai entra um componente muito mais abrangente que é o valor. Valor é mais subjetivo que o custo, pois envolve o cenário, o comportamento de compra e as características percebidas por quem está adquirindo o produto/serviço. O valor é a sua percepção de custo, atribuindo indicadores de BOM ou RUIM, por exemplo. Tente ficar sem respirar. Com o tempo você vai precisar de ar, pois é algo vital. Entenda que nesse momento o ar tem um valor inestimável, pois está agregado diretamente à você estar vivo(a). Veja que não envolvi nenhum cálculo ou outro recurso, apenas percepção de necessidade. Analisando pela ótica da necessidade, cada pessoa têm uma percepção diferente de necessidade do mesmo objeto. Alguém pode achar que precisa de um telefone de ultima geração, por ele trazer um status social ou alguma outra satisfação pessoal relacionada à posse. Outros podem querer esse mesmo telefone por suas características técnicas e abrem mão dele se encontrar outro que atenda essas necessidades, como acontece com muitas pessoas que não vêem a mínima necessidade de ter um iPhone pois possuem um telefone muito mais potente. Veja que nesse ultimo exemplo sobre valor a percepção do mesmo objeto pode transformá-lo em uma simples ferramenta, mas também pode colocá-lo em um pedestal. Ainda assim, o mesmo objeto possui o mesmo preço e pode ter o mesmo custo de aquisição.

Conclusão

Quando um prestador de serviços, por exemplo, envia um orçamento, ele está mostrando o preço. Quando esse mesmo prestador de serviços inicia sua prospecção, apresentação e venda ele possui um custo. Quando o cliente entra em acordo e aceita adquirir, ele está vendo valor (toda compra envolve uma percepção de valor).

Compartilhe: http://bit.ly/2gMtph5
Jefferson Alex

Analista de Marketing com especialização em projetos digitais. Designer em formação, analista de sistemas e sempre em busca de aprendizado contínuo.