UXZero – Heurísticas

Design 11 junho, 2019 Jefferson Alex

Já se deu conta de estar usando um sistema e não saber se o botão que você apertou fez o que você queria? Mas você já identificou que no semáforo verde os carros avançam.

Vou falar um pouco sobre heurísticas e os impactos na interação humano-computador.

Para que o uso de uma máquia/computador tenha o efeito satisfatorio é preciso pensar em como o usuário entende, interage, percebe e aprende enquanto usa um dispositivo. Seja um tablet, um painel de avião ou um simples carregador de baterias, é necessário pensar em como o usuário consegue entender a forma de usar e o que está contecendo durante esse uso – evitando problemas como acidentes durante o uso.

Nilsen publicou, na década de 90, o que chamou de heurísticas para interface com usuário. Listando 10 pontos que orientam boas práticas no desenvolvimento de interfaces, essas heurísticas podem te salvar de muitos erros básicos na hora de disponibilizar o seu projeto para o usuário final.

Vamos conhecer um pouco delas e em outros posts eu falo mais explicitamente, com detalhes.

by site Prototypr.io
  1. Visibilidade e estado do sistema
  2. Correspondência entre virtual e real
  3. Liberdade e controle pelo usuário
  4. Consistência e padrões
  5. Reconhecimento e não recordação
  6. Prevenção de erros
  7. Flexibilidade e eficiência
  8. Estética minimalista
  9. Diagnóstico e recuperação de erros
  10. Ajuda e documentação

Basicamente, quando você se preocupa com essas questões os erros de interação e acidentes são diminuidos. Não é necessário que todos os sistemas atendam todos os 10 itens, mas o máximo possível de atendimento contribui para o mínimo de problemas.

Um exemplo: Um sistemas de monitoramento cardíaco.

É necessário saber se o aparelho está ligado[1]. Para isso, procuramos um botão que se assemelhe a um interruptor ou luz indicativa[2]. Se a iluminação da sala for muito forte, talvez você queira ajustar o contraste e brilho do minitor[3] em poucos níveis e com rápida resposta[7] para não perder os ciclos de informação printados na tela, onde o médico sabe o que está acontecendo pela forma das linhas e som emitido pelo aparelho[4][5]. É importante ter uma trava para que o botão de desligar não seja acionado acidentalmente quando a enfermeira se aproximar para trocar o soro desse paciente, esbarrando no monitor[6]. Os médicos esperam ver a frequência cardíaca e as ondas de oscilação em tempo real, nada mais [8]. Se um fio se soltar do paciente, o sistema deve alertar e informar que não recebe mais os dados [9], assim como uma mensagem informando 2 possíveis causas (desconexão ou ausência de batimentos)[10]. Também podemos ver uma seta que aponta para cima, quando encontra uma elevação dos batimentos cardíacos[10].

Bom, talvez tenha deixado passar algo… mas é um exemplo de como podemos pensar na aplicação das heurísticas em um equipamento que requer interação com um usuário.

Nos próximos posts eu detalhe melhor sobre cada um dos pontos e darei outros exemplos.

Esse conteúdo te ajudou?
SimNão